Flapper oficializa destino de Ubatuba como uma das opções de rota premium para quem busca serviços de compartilhamentos de voo

Criada em 2016 e em operação desde de setembro de 2017, a startup surgiu a partir da necessidade, dos próprios sócios, de encontrar voos comerciais a preços competitivos. O aplicativo Flapper tem como pilar a lógica da economia compartilhada e busca tornar mais acessível os serviços de transporte aéreo, por meio do compartilhamento de assentos em voos executivos. Apelidado de Uber da Aviação, o App foi criado por sócios acostumados com o universo da tecnologia de aplicativos e transporte. Com mais de 80 mil downloads e voos oferecidos para diversos aeroportos do país, após alguns testes realizados em 2018, a Flapper passa a operar oficialmente em Ubatuba promovendo voos com preços competitivos para quem deseja viajar à cidade.Confira entrevista com Paul Malicki, CEO da Flapper.

Como surgiu a ideia e a inspiração para criar o aplicativo Flapper?
A ideia surgiu como uma resposta para a falta de serviços de primeira classe na aviação comercial no Brasil, além da falta e dificuldade no acesso aos serviços de taxi aéreo. Meu sócio (Arthur Virzin) e eu, tínhamos grande dificuldade de contratar uma empresa de taxi aéreo. Na época, eu viajava muito entre São Paulo e Rio de Janeiro, e notei que não havia voos partindo de Jacarepaguá.Inclusive, descobrimos que o Brasil tem mais de 2.400 aeroportos e apenas 101 disponibilizam voos e serviços da aviação comercial. Juntando as forças decidimos lançar a Flapper como uma opção para oferecer voos compartilhados para destinos premium como Angra dos Reis, Ubatuba e Búzios, por exemplo, que não possuem ligação sistemática, mas que possuem pistas que podem ser utilizadas para voos de táxi aéreo.

Quais as vantagens que o aplicativo tem sobre serviços que já existem de voos compartilhados particulares?
Hoje não há outro serviço que ofereça o que a Flapper dispõe. Há empresas que fazem propriedade compartilhada, mas, atualmente, somos os únicos a oferecer serviço compartilhado de assentos na aviação executiva no Brasil. No exterior existem cerca de cinco empresas bem-sucedidas neste ramo, principalmente, nos EUA. A vantagem fundamental para o cliente da Flapper é a qualidade do serviço, preços mais atrativos comparados a outros serviços de táxi aéreo e acesso aos aeroportos que não estão disponíveis no mercado hoje para voos comerciais.

Quantos voos já foram feitos para o litoral norte de São Paulo/Ubatuba?
Ubatuba é um destino que a Flapper pretende lançar formalmente este ano (2019), até agora fizemos cerca de cinco voos compartilhados para a cidade. Foram voos testes em que 100% foram bem-sucedidos. Além disso, vamos complementar a gama de serviços, disponibilizando o fretamento de aeronaves.

Qual o valor médio de uma viagem com o Ap de São Paulo a Ubatuba, por exemplo?
Um voo compartilhado pode sair a um preço bem acessível, cerca de 650 Reais, incluindo ida e volta. Já no caso de um fretamento os valores são mais altos, podendo variar a partir de 5 mil Reais, com a opção de escolher entre os cerca de vinte modelos que a Flapper dispõe de helicópteros ou aeronaves, como a Caravan e o King Air, por exemplo.

Além do taxi aéreo via App, vocês oferecem outros tipos de transporte?
Além de taxi aéreo oferecemos o fretamento de aeronaves grandes, aviões exclusivos com 50 lugares de classe executiva e primeira classe. Porém, nosso foco está hoje no compartilhamento de assentos e fretamento sob demanda tanto pelo aplicativo como para atender agências de viagens. Hoje em torno de 80% de nossas vendas são geradas a partir do App.

Quantos downloads foram feitos até o momento?
Até agora atingimos a marca de 80 mil downloads e temos mais de 50 agências parceiras conectadas com o nosso sistema, com a finalidade de atender o mercado corporativo.

O aplicativo Flapper é gratuito e está disponível para Android e iOS

Foto: o King Air